fbpx
18.4 C
São Paulo
segunda-feira, junho 17, 2024
InícioDicasUm ano após início da pandemia, mercado de luxo se reinventa e...

Um ano após início da pandemia, mercado de luxo se reinventa e vende ainda mais

Siga-nos no Google Notícias

Há um ano, a Saint Laurent se tornou a primeira grande marca de luxo a abandonar as semanas de moda como consequência da pandemia.

Desde então, nomes como Gucci, Celine e Balenciaga também saíram do calendário oficial, com apostas originais que agradam e vendem.

O estilista belga da Saint Laurent, Anthony Vaccarello, apresentou sua nova coleção outono-inverno virtualmente nesta quarta-feira (28), dois meses após a Paris Fashion Week.

Vaccarello escolheu paisagens selvagens e “hostis”, como um bloco de gelo, para desfilar seus modelos.

Já em sua última exibição, em dezembro, ele filmou no deserto, rompendo com o tradicional ambiente glamouroso da empresa, aos pés da Torre Eiffel.

Há duas semanas, a italiana Gucci organizou um desfile para marcar seu centenário que deu muito que falar.

Pirataria

Seu diretor artístico, o italiano Alessandro Michele, lançou uma coleção na qual o logotipo da Gucci coexiste com o da Balenciaga, também pertencente ao império Kering.

Algumas peças até lembram a linha de Demna Gvasalia, designer iconoclasta da marca fundada pelo espanhol Cristóbal Balenciaga.

Não se trata de uma colaboração, mas sim de “pirataria”, brincou Michele, lembrando que teve o aval de Gvasalia, seu amigo.

Para a influente crítica de moda do New York Times Vanessa Friedman, esta coleção que ela apelidou de “Balen-Gucci” pode anunciar novos tempos.

“Agora é sobre piratear: a história e seu grupo”, dando “uma imagem de antissistema”, segundo Friedman.

A Balenciaga apresentou uma coleção também à margem da Fashion Week, em um vídeo filmado em vários pontos turísticos do mundo, transmitindo a mensagem “sinta-se bem” ao contrário da Gvasalia, mais sujeita a cenários apocalípticos.

“A moda nunca vai acabar, independentemente das semanas de moda (…) Pode ser feita sozinha”, estimou Michele.

Os números comprovam isso: no primeiro trimestre de 2021, as vendas dos gigantes de luxo Kering e da rival LVMH ultrapassaram os níveis pré-pandêmicos, subindo 5,5% e 8%, respectivamente, em relação a 2019.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2020, quando a pandemia já atingia a Ásia, as vendas naquele continente dispararam entre janeiro e março, com aumento de 83% para Kering e 86% para LVMH.

Garantias

AFP
O italiano Alessandro Michele, diretor artístico da Gucci, em Milão, em 19 de fevereiro de 2020

Não é por acaso que a coleção Gucci-Balenciaga será apresentada nas próximas semanas em Xangai, como fez Berluti (LVMH) no início de abril.

É um “mercado em expansão” e o “único onde podemos apresentar as roupas a um público físico”, disse à AFP Kris Van Assche, que deixou a direção artística de Berluti na semana passada, coincidindo com o anúncio da empresa de que a partir de agora seguirá seu próprio calendário.

Sem a confirmação oficial, Celine (LVMH) fez o mesmo e até agora seu diretor artístico Hedi Slimane apresentou vídeos gravados em castelos na França para coleções femininas e masculinas.

Com todas essas mudanças, uma pergunta se tornou recorrente: é o início do fim das semanas de moda?

“Se todo mundo sai do sistema, todo mundo perde. Nesse contexto deve haver garantias, elementos de credibilidade” como o calendário oficial, defendeu Pascal Morand, presidente-executivo da Federação de Alta Costura e Moda da França, que organiza as semanas de Paris.

Fonte: AFP
Ad
Redação UBE
Redação UBEhttps://umaboaexperiencia.com
Somos uma equipe apaixonada por boas experiências ao redor do mundo. Acreditamos que uma boa experiência não se define por preço ou exclusividade, mas sim como você se sente vivendo esse momento.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, introduza o seu comentário!
Por favor introduza aqui o seu nome

Ad

Últimos posts

Ad
Ad
Ad